sábado, 28 de maio de 2011

"SATI" OU "SUTTEE" - RITUAL MACABRO COM AS VIÚVAS DA ÍNDIA

No passado, havia na India, um cerimonial macabro, o Cerimonial “Sati” - antigo costume entre algumas comunidades hindus. Quando o marido morria, o defunto era colocado sobre uma pilha de lenha para ser queimado e, a esposa do defunto, ou a viúva, era amarrada junto ao cadáver, sendo preparada para ser queimada com o defunto marido.

O termo “Sati” tem origem no sacrifício de Sati, a primeira esposa do deus Shiva, que se matou, numa demonstração de fidelidade ao amado e por ter sido incapaz de suportar a humilhação de seu pai Daksha por viver enquanto seu marido Shiva morreu.
Hoje em dia é estritamente proibido pelas leis do Estado Indiano que obrigava (no sentido honroso, moral, e prestigioso) a esposa viúva devota a se sacrificar viva na fogueira da pira funerária de seu marido morto. Esporadicamente, ainda é praticado em algumas regiões mais tradicionais, ainda que esteja proibido por lei.
Ainda que a prática do sati tenha caído em desuso, a sorte das viúvas indianas ainda é trágica o suficiente. Entende-se que elas não trazem sorte para a família, uma vez que os maridos morrem.
Na tradição indiana a mulher é a metade do marido quando eles se casam, tornando apenas 1 só, Quando se tornam viúvas a vida delas acaba, por isso antigamente, muitas se atiravam na pira.
Hoje em dia mesmo com a proibição, a viúva é um tabu muito forte na Índia. Quando se tornam viúvas começa a cerimônia de retirada dos símbolos de casada: primeiramente se quebram as pulseiras ali em frente ao falecido, depois será retirado o sindor (linha vermelha que identifica a mulher casada) desfazem suas roupas e passam a usar roupas brancas em demonstração de luto para o resto da vida para
diferenciá-la das outras mulheres, uma vez que se tornou uma pária (impura) e não pode ter contato com outras mulheres que não sejam viúvas como ela, e tampouco com crianças. Existem aquelas famílias mais tradicionais que raspam a cabeça das viúvas.
Por todo país, existem muitos abrigos onde as viúvas são abandonadas pela família do marido. Em razão das privações a que estão submetidas, a morte de mulheres viúvas chega a ser 85% maior que a das mulheres casadas. O mundo nem se dá conta disso.
Em Vrindravan, cidade ao norte da Índia, uma das mais sagradas porque ali cresceu o Deus Krishna,ocorre uma situação muito triste, transformou-se na cidade das viúvas. Quando os maridos morrem, as mulheres perdem seu lugar na sociedade, refugiam-se e vagam por esta cidade, a maioria vestidas de branco, descalças e sem cabelos, desde velhinhas encurvadas com os olhos cobertos por cataratas, há outras muito jovens, mesmo porque na índia se casam muito cedo, as vezes, ainda criança. Nesta cidade há casas que acolhem viúvas - velhos prédios despencando, onde viverão pelo resto da vida. Muitas preferem viver nelas, a ficar com a família do ex-marido, onde são constantemente violentadas sexualmente, além de serem humilhadas e maltratadas fisicamente pelos membros da família. Passam a viver situação miserável apartir da viuvez, Um número muito grande delas, segundo um estudo do Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher (Unifem),cerca de 10 mil viúvas sobrevivem de caridade nesta cidade e seus arredores. Outras vivem nas ruas enlameadas e caóticas de Vrindavan, ou dividem quartos que o governo ou fundações lhes alugam. Meio asilos, meio conventos acolhem algumas gratuitamente. Para os hindus, as viúvas são de mau agouro no país. Às vezes a família do morto as acusa de ser a causa da morte do marido (maioria taxadas de Mangliks= maldição do amor). Segundo o Código de Manu, uma das escrituras sagradas mais antigas, uma mulher nunca será independente. “Uma viúva deve sofrer muito antes de morrer e deve ser pura de corpo, pensamento e alma”.
O Skanda Purana vai além: “Um homem sábio deve evitar as viúvas, mesmo suas bênçãos, como se fosse o veneno de uma serpente”. Em Vrindavan elas compartilham sua solidão e se afastam um pouco desse desprezo, uma ajuda a outra e passam a se compreender de forma menos dolorosa. O Hare Krishna rezado por centenas de gargantas comove até os ossos de quem ouve. Elas cantam durante quatro horas em troca de três rupias no ashan de Krishna e acabam ganhando comida dos peregrinos as vezes no próprio ashran.
“Algumas vêm pela religião, mas outras não têm escolha. As mais pobres são analfabetas e carecem de educação e as famílias as trazem aqui para se livrar delas”, conta Pria Saki, uma espanhola Hare Krishna que está ali como voluntária.
O governo dá uma pensão de cerca de 30 euros por ano para as viúvas, mas além de ser muito pouco não chega a todas. Só 25% a recebem. “A burocracia é muito complexa para elas, na maioria analfabeta e outras não sabem nem que existe essa ajuda”, só lhes restam mendigar. Mas mulheres educadas também vêm parar ali, muitas vezes os filhos ficam com tudo quando o pai morre deixando a mãe desamparada e só. A lei reconhece o direito das viúvas a herança, mas na prática isso acontece muito raramente.
O número de jovens viúvas é surpreendente. Isso se deve ao costume de casar meninas com homens mais velhos.
Na Índia há 33 milhões de viúvas, segundo os números oficiais e um segundo casamento é quase impossível. Embora nem todas estejam em condições tão terríveis quanto as de Vrindavran, todas sofrem “pelo menos o estigma social. A maioria não pode trabalhar e é maltratada pela família”, (diz Mohini Giri, diretora da Guild of Service). A sociedade de alguma forma se defende, argumentando que estão em Vrindavan porque querem dedicar seus últimos dias a louvar a deus.

Sem um homem ao seu lado, uma mulher não tem respeito na sociedade indiana. Isso é parte da cultura patriarcal

O termo “Sati” agora é às vezes interpretado como mulher honesta.


Fonte: Wikipedia e Matéria escrita por Deva Shakti

19 comentários:

  1. Você sabe que foi o responsável pela proibição deste costume "suttee"? Foi o missionário William Carey!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  2. E depois ainda falam na sabedoria budista hindu e outras mrds.é pra rir.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. A maioria dessas viúvas estão colhendo o que plantaram.
    Primeiro porque praticaram o infanticídio, matando as netinhas recém-nascidas, porque preferiram o nascimento de meninos. Há caso de sogra ter praticado cinco feticídios femininos seguidos porque simplesmente a nora não esperava menino.
    Depois mataram noras, queimando-as vivas, para deixar o filho livre para casar novamente e receber outro dote.
    Infernizaram a vida das noras a vida inteira.
    Por isso é que são consideradas amaldiçoadas e culpadas por tudo de ruim que possa acontecer ao redor de onde moram, acusadas de bruxas e culpadas pela morte de seus maridos, e de carregarem essa maldição de que trazem mau agouro. São descartadas.
    Seja na Índia ou em qualquer lugar do mundo; em hipótese alguma;
    nunca, mais nunca mesmo; maltrate ou mate uma criancinha seja de que idade for, porque depois vem a fatura e com juros altíssimo. Porque a maldade não foi praticada contra um pequeno serzinho que precisava de todo cuidado e de toda proteção e sim contra a VIDA e contra o UNIVERSO.
    Uma bebezinha que está vindo a esse mundo, não está no UNIVERSO e nem o UNIVERSO está nela: ela é o próprio UNIVERSO.
    Ela não está na VIDA e nem a VIDA está nela: ela é a própria VIDA.
    Uma das piores coisas que um ser humano possa fazer nessa face da Terra, é comprar briga com o UNIVERSO ou com a VIDA.
    E o MESTRE já disse: ai daquele que tocar num só desses pequeninos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seu texto resume bem o quanto é abominável para Deus esse tipo de atitude ou costume... Não é atoa que a maldição reina na Índia

      Excluir
    2. Eu te digo como o senhor Jesus disse. ..elas não sabiam o que faziam Deus não leva em conta o tempo da ignorância. ..tudo está mudando e vai mudar mais...se era um costume dos hindus como considerar só as mulheres culpadas...Não somos preparados para julgar mas tem Deus ele é um juiz que vai julgar no último dia.

      Excluir
    3. Eu te digo como o senhor Jesus disse. ..elas não sabiam o que faziam Deus não leva em conta o tempo da ignorância. ..tudo está mudando e vai mudar mais...se era um costume dos hindus como considerar só as mulheres culpadas...Não somos preparados para julgar mas tem Deus ele é um juiz que vai julgar no último dia.

      Excluir
    4. Verdade Lídia Vicente dos Anjos... Vc disse tuuuudo. ♡♡♡♡

      Excluir
  5. Pseudoreligião...e o pior é que o mundo copia certas ideias deste tipo de religião...muitos se metem até a recitrar os tais mantras ou acreditam em reencarnação...uma ignorância inspirada pelo diabo!

    ResponderExcluir
  6. Pessoal, temos que levantar as mãos para os céus e agradecer todos os dias por ser Brasileiro e apesar do estado ser laico, temos nossos princípios baseados na santa fé cristã. A Índia assim como outros países do oriente médio sofrem muito e sempre vão continuar sofrendo porque seus costumes e princípios, não são baseados em uma espiritualidade sadia. Como outros disseram ainda tem gente metido nesse tipo de doutrinas, apenas praticando o que é mal para si e para os outros. O que podemos fazer é orar por estes povos e agradecer a Deus todos os dias por sermos de uma nação que precisa melhorar em algumas coisas, porém somos livres. CONHECEREIS A VERDADE E A VERDADE VOS LIBERTÁRA . Nada pode ser mais poderoso e feliz do que estas palavras. Eu gosto muito de ler sobre religiões e culturas de todos os povos, mas nada nunca abalou a minha fé em Cristo. Por isto eu agradeço a Deus por ter nascido em um lar cristão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também sou cristã... Realmente lamentável saber dessas coisas, por isso as igrejas tem que procurar cada vez mais trabalhar com missões, pois há muitos que não conhecem o amor desse nosso Deus... Amor servir à esse Deus!

      Excluir
    2. Ainda tem gente que reclama de ser brasileiro... Vamos repensar, fazer o bem, acreditar num deus vivo que nos liberta,com julgo suave tornando nosso fardo leve!

      Excluir
    3. Ainda tem gente que reclama de ser brasileiro... Vamos repensar, fazer o bem, acreditar num deus vivo que nos liberta,com julgo suave tornando nosso fardo leve!

      Excluir
    4. Eu também sou cristã... Realmente lamentável saber dessas coisas, por isso as igrejas tem que procurar cada vez mais trabalhar com missões, pois há muitos que não conhecem o amor desse nosso Deus... Amor servir à esse Deus!

      Excluir
  7. País muito bonito mais esse machismo nada ver custume de merda aonde a mulher é só um objeto graças as deua que morro no Brasil índia lixo de custume tenho dó dessa mulheres ..

    ResponderExcluir
  8. Ao ler os comentários verifiquei o quanto as "Religiões" deixam a humanidade mais ignorante. Seja Hindu,Cristão, Judeu ou Muçulmano, todas imbecilizaram o ser humano...

    ResponderExcluir

Obrigada pela participação, assim que possível darei retorno.